Alguns lojistas virtuais ainda se confundem na hora de calcular as taxas de conversão e de aprovação. Levando em conta que, distingui-las corretamente é fundamental para potencializar os ganhos do negócio, alguns conhecimentos básicos sobre o assunto são muito importantes.

A taxa de conversão é a quantidade de clientes que efetivamente chegam ao final do processo de compra. Enquanto a taxa de aprovação se refere ao número de vendas que foram efetivadas, ou seja, aprovadas pelos bancos e pagas, é a porcentagem do total de visitantes que acaba comprando. Comunicar-se com o cliente de forma transparente é fundamental para que o negócio seja bem-sucedido nessas duas etapas.

Pensando em ampliar a taxa de conversão, muitos comerciantes apostam seus esforços no caminho mais longo, o de tentar aumentar o número de visitantes em sua página para, depois, conseguir mais vendas. Porém, pesquisas apontam que é muito mais fácil aumentar o número de vendas entre os clientes já existentes, que já frequentam a página, que aumentar o número de visitantes dela.

As taxas de conversão se apoiam, na maioria das vezes, na equação: número de vendas dividido por total de visitas. Há ainda taxas que são calculadas em cima de metas de campanha.
O que dificulta a avaliação dessas taxas, principalmente para quem está iniciando seu e-commerce, é o fato de que elas não possuem um padrão, variando muito de acordo com o setor e com a região.
Pesquisas apontam que o e-commerce nacional tem como média de taxa de conversão 1,5%. Ou seja, a cada 100 visitantes da página, 1,5 compra algum item. Nos Estados Unidos, esse número é de 5%.
No processo de conversão da visita em compra, o checkout, ou seja, a confirmação da compra, tem que ser rápido e transparente. O comerciante deve evitar exigir cadastros na tela de compra. Nessa etapa, tips de ajuda são importantes para que o cliente saiba como finalizar a compra.

Para melhorar as taxas de aprovação, o lojista deve ter como prioridade trabalhar no sistema multiredes. Se uma rede nega a transação, outra pode ser acionada. Os critérios de avaliação variam muito de uma instituição para outra e é difícil que ambas travem o processo. Essa iniciativa pode aumentar as taxas de aprovação em até 10%.

Análises anti-fraude são necessárias para avaliar as operações antes de destiná-las às instituições de crédito. Dependendo da situação, o ônus de crimes contra o consumidor pode acabar sendo pago pelo lojista.

Embora os cartões sejam maioria nas compras on-line, os boletos ainda representam uma importante fonte de lucro para os e-commerces. Mensura-se que o número de vendas por boleto que não se confirmam seja entre 30% e 50%, boa parte disso pelo fato de o cliente achar que receberá as folhas em casa e não que deve imprimi-las.

O lojista deve auxiliá-lo a concluir o processo, já que isso é interesse de ambos. Portanto, é fundamental colocar o botão de impressão do boleto em um tamanho respeitável.

A indicação para a tela de impressão do boleto é mantê-la limpa, mesmo que para isso tenha que alterar consideravelmente a identidade visual da página. Reduza até mesmo o menu raiz, que costuma aparecer em todas as páginas. Mas, atenção: não retire tudo da página para que o cliente não ache que aquela tela já não pertence mais à sua loja.

Por fim, não informe que a compra foi finalizada até que o boleto tenha sido impresso. Ao invés de usar mensagens como “A compra foi finalizada”, avise que “Falta apenas mais uma etapa para a conclusão da compra, a impressão do boleto”.